Translate

sexta-feira, 4 de março de 2016

O que se espera de um país que permite bisbilhotar inquérito e execrar publicamente seus mandatários e ex-presidentes sem observar o devido processo legal e o basilar principio da presunção de inocência

Uma nação onde a corrupção permeia entre as classes sociais mais elevadas solapando os alicerces da economia, desmoronando as colunas da democracia, construindo bandidos engravatados e miseráveis revoltosos;

Um estado de direito que permite bisbilhotar os depoimentos de um inquérito que em tese deveria ser sigiloso, abrindo-os para grande mídia antes mesmo de ser conclusos pela autoridade coatora;

Um país que rasga a Constituição e Tratados Internacionais e execra publicamente seus ex-presidentes e mandatários, permitindo que sejam condenados pela opinião pública sem observar o devido processo legal e antes mesmo de uma sentença transitada em julgado;

Observa-se que a garantia da democracia plena,  está intimamente ligada à divisão dos poderes, à observância do devido processo legal e o respeito ao principio da presunção da inocência sacramentado no inciso LVII da Constituição Federal de 1988;

Constituição Federal de 1988

Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;" (grifo nosso)

Todavia um povo que se deixa dominar por uma opinião pública construída por  marqueteiros maquiavelianos, jamais se tornará um "povo forte," dificilmente sairá da mediocridade, sempre será provinciano e colonia dos povos imperialistas;

É lamentável contemplar que a centenária e cronica corrupção que impera nos meandros do poder desde Cabral, o revanchismo, a politicagem baixa, o fisiologismo políticos dos inúmeros partidos, que em nome de figuras midiáticas ou donas de currais eleitorais, elegeram picaretas sem representatividade, esbulharam  o Congresso nacional e fizeram do Brasil atual uma republiqueta sem relevância no cenário mundial.

Enquanto isso:

... como sempre os banqueiros não deixam de ganhar dinheiro;
...a evasão de divisas deve continuar do mesmo jeito;  
...os economistas são obrigados a verem o país ladeira abaixo a uma velocidade que espanta, 
...a pobreza e a miséria voltam a serem causa de lucro daqueles que jamais quiseram  que elas diminuíssem.
...e o povo encabrestado, sem dinheiro e sem prestígio, se prepara para mais um pleito eleitoral onde na maioria das vezes ao invés de eleger representantes, elegem seus algozes...